#Guitarrista

Entrevistas

Rhapsody of Fire: glória à perseverança

O mentor dos italianos sobre o novo álbum e o seu conceito, que coloca a banda numa situação positiva.

Publicado há

-

Foto: Emanuele Aliprandi

«Ainda que respeitemos e honremos o nosso passado, continua a ser passado. Ganhámos novos fãs e as coisas estão muito positivas.»

O teclista, compositor e co-fundador original de Rhapsody, Alex Staropoli, não é estranho à mudança. Desde a evolução da banda para Rhapsody of Fire em 2006 até à separação com o guitarrista e co-fundador Luca Turilli em 2011, passando pela recruta do vocalista Giacomo Voli em 2016, Staropoli tem-se mantido forte a forjar um caminho que, de fora, parecia estar em ruínas. A cada nova mudança, a banda desafiou as probabilidades e tem sido posta à prova com sucesso. Talvez o maior teste tenha sido “The Eighth Mountain”, de 2019, o primeiro álbum dos italianos sem composição de Turilli e a estreia vocal de Voli em estúdio. Com olhos postos no futuro, os Rhapsody of Fire sentiram-se confiantes e fecham 2021 com o novo disco “Glory for Salvation”.

«É um choque para toda a gente quando uma banda perde o seu vocalista, mas a maioria das pessoas está muito contente com o resultado porque seguimos em frente para criarmos uma nova e entusiasmante situação», repara Staropoli através da AFM Records. «Ainda que respeitemos e honremos o nosso passado, continua a ser passado. Ganhámos novos fãs e as coisas estão muito positivas. O Giacomo é uma excelente pessoa para se trabalhar. Podemos ser muito sérios e profissionais, mas também nos divertimos a trabalhar.»

O ajuste à nova dinâmica não foi fácil ao início, especialmente devido ao facto de Staropoli ser o responsável por compor todo o novo material sozinho. Porém, esta nova situação foi empolgante, com o teclista a admitir que cresceu enquanto compositor e músico. Considerando que todas estas provações foram uma bênção, as lições aprendidas com “The Eighth Mountain” ajudaram a que “Glory for Salvation” seja o épico que é.

«Nunca tenho um plano preciso», assegura, «mas tenho ideias que quero expressar e imagino a tentar apresentá-las ao vivo. Depende sempre, mas geralmente gosto de começar com as partes de guitarra porque quero criar uma base sólida para um álbum de metal. A maioria das orquestrações surgem no fim».

“Glory for Salvation” não seria um álbum de Rhapsody of Fire se não tivesse um conceito, aparecendo assim como o segundo capítulo de “The Nephilim’s Empire Saga”, que começou com o disco de 2019. A saga centra-se no assunto da redenção e no valor da vida. O herói está ciente dos seus erros, pretende remediá-los para encontrar redenção e para lutar pelo que é certo. Transportando a fantasia para a realidade, Staropoli sente que a saga pode ser vista como o desenvolvimento de um indivíduo, um progresso que possa elevar uma pessoa ao seu ponto mais alto para completar a compreensão do que se é verdadeiramente. O conceito foi desenvolvido pelo próprio Staropoli e pelo guitarrista Roby de Micheli, que a certa altura também contribuiu activamente na parte musical, e as letras foram escritas pelo vocalista Giacomo Voli.

«Sabendo a história, como a saga evolui e os vários momentos, tento compor música que se encaixe no conto, mas não o quero fazer em demasia», diz o teclista. «Não quero fazer um álbum conceptual a 100%. Quero algo que me dê mais liberdade musical – é por isso que as letras vêm no fim. Quando faço uma maquete, está lá tudo, incluindo a melodia vocal, portanto o Giacomo trabalha as letras com base nisso. Claro que as coisas podem mudar um pouco aqui e ali, mas as letras são sempre a última coisa a ser adicionada.»

«Sabendo que tenho uma banda que expressa esta música em palco, isso dá-me uma base sólida para compor com confiança.»

Treze álbuns, três EPs e dois discos ao vivo ao longo de quase 25 anos, e Staropoli não mostra sinais de abrandamento. De certa maneira, se recordarmos o início deste texto, até se pode considerar que está apenas a começar Rhapsody of Fire, com “Glory for Salvation” a ser o importante próximo passo.

Quando questionado sobre o que o faz manter-se entusiasmado com a banda, Staropoli dá crédito ao seu amor pela música e ao seu trabalho enquanto produtor, mas também aos seus colegas e ao colaborador Sebastian “Seeb” Levermann (Orden Ogan) que ajudou a dar vida ao álbum com o seu talento na mistura. «É o ambiente que tem um grande papel nisto», começa por concluir. «Sabendo que tenho uma banda que expressa esta música em palco, isso dá-me uma base sólida para compor com confiança. Depois há o facto de saber que o que estou a compor para “Glory for Salvation” é um pouco mais complexo do que o habitual, e está nas mãos de quem mistura fazer com que isto soe como ouço na minha cabeça – e a maneira como este álbum soa é absolutamente impressionante.»

“Glory for Salvation” foi lançado a 26 de Novembro de 2021 pela AFM Records.

Facebook

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021