#Guitarrista

Subsolo

Litost: miséria humana

Com o intuito de encontrarem um nova personalidade musical e, assim, dar uma nova experiência ao sobrecarregado metal contemporâneo, os Litost apresentam-se com “Ethos”.

Origem: Espanha
Género: blackened death metal
Último lançamento: “Ethos” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista: Diogo Ferreira | Review: João Correia

Com o intuito de encontrarem um nova personalidade musical e, assim, dar uma nova experiência ao sobrecarregado metal contemporâneo, os Litost apresentam-se com “Ethos”.

«A nossa evolução é impulsionada pelo desejo de criar algo novo nesta cena sobrecarregada que é o metal de hoje em dia.»

Objectivos: «Queríamos reunir todas as nossas influências musicais e experiências com as nossas bandas anteriores de uma maneira que não tivéssemos limites para compor. O nosso estilo principal será rapidamente reconhecido como black ou death metal, mas também serão notadas algumas referências de outros estilos musicais, como punk, jazz, flamenco ou até bandas-sonoras de filmes e videojogos. Assim, temos uma grande variedade de influências. Como qualquer outro trabalho musical actual, este álbum deve ser ouvido com mente aberta e com a expectativa de se encontrar uma abordagem experimental para o género. Podes encontrar-te reflectido em alguns estados de espírito que se tentam transmitir. Esperamos que qualquer ouvinte encontre uma abordagem musical não convencional sob a aparência de um álbum de black/death metal.»

Conceito: «O conceito de Litost é algo importante e influente nas nossas músicas e letras para este álbum. É um termo checo, do filósofo Milan Kundera, relacionado à introspecção e à miséria humana. O conceito de “Ethos” vem da filosofia clássica e achámos que se adequaria à abordagem deste álbum, pensando-se também em lançamentos futuros e no próprio conceito de Litost. A música, com a onda óbvia do black metal, é combinada com letras sobre as piores condições humanas, transmitindo-se emoções como ressentimento, inveja, remorso, ódio, maldade, orgulho.»

Evolução e referências: «A nossa evolução é impulsionada pelo desejo de criar algo novo nesta cena sobrecarregada que é o metal de hoje em dia, e é nossa vontade continuar a trabalhar arduamente no desenvolvimento do nosso próprio estilo e personalidade, para que as pessoas consigam reconhecer facilmente Litost quando ouvirem. Como dissemos antes, crescemos a ouvir muitos tipos de música, e também tocámos em várias bandas; por isso, é impossível não sermos influenciados. Diríamos referências musicais como Taake, Deafheaven, Mastodon, Gojira, Persefone, Trocotombix, Devin Townsend, Meshuggah, Propaghandi, The Black Dahlia Murder, Ne Obliviscaris, flamenco, jazz, bandas-sonoras de filmes e videojogos.»

Review: Ali ao lado, em Valência, o blackened death metal está vivo e de saúde, como os Litost atestam com “Borrasca”, tema extraído do LP “Ethos”. Os Litost começam por impressionar com o seu logótipo estilizado simplesmente original, mas é com a música que praticam que de facto nos fazem perceber que estamos perante algo sério e diferente. A juntar ao blackened death metal inspirado, ouvimos um segmento sinfónico/épico liderado pelo baixo de forma majestosa e muito original sem forçar a barra. A descobrir com urgência.

Facebook

Apoia a nossa causa

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021