#Guitarrista

Reviews

Komatsu “Rose of Jericho”

Os Komatsu seguem a sua estrada de maneira ainda mais avassaladora e alucinante.

Publicado há

-

Editora: Heavy Psych Sounds
Data de lançamento: 05.02.2021
Género: stoner metal
Nota: 4.5/5

Os Komatsu seguem a sua estrada de maneira ainda mais avassaladora e alucinante.

Os super-massive-mother-sludgers estão de volta e prontos para, mais uma vez, passarem por cima de tudo e atropelarem com a massa sonora que tão bem fazem! Três anos após o lançamento de “A New Horizon”, que alçou os holandeses a voos mais altos, a banda está de volta com “Rose of Jericho”, que repete a fórmula do próprio sucesso com um stoner pesado e electrizante que promete manter a banda na rota do êxito.

O nome Komatsu não poderia ser mais apropriado a esta banda de Eindhoven. Inspirados no nome de uma das principais fábricas de maquinaria pesada para construção civil, é há mais de dez anos que a banda vem executando uma sonoridade demolidora e, apesar de virem de uma região que não tem tradição no estilo, vem conquistando um lugar ao lado dos grandes da actualidade através de quatro trabalhos de estúdio.

“Rose of Jericho” não foge à regra, e isso é perceptível desde os primeiros momentos da inaugural “Stare into the Dawn”, com riffs extremamente arrastados e quase fantasmagóricos, bem ao estilo dos mestres Black Sabbath, com um solo de guitarra extremamente feroz para encerrar a faixa. Este é o ritmo que permeia todo o disco: as guitarras bem trabalhadas, a voz soturna de Mo Truijens e o baixo e a bateria imparáveis de Martijn Mansvelders e Jos Roosen, respectivamente, mantêm a atmosfera caótica do álbum. Outros pontos altos deste excelente trabalho são “Solitary Cage” [com um ritmo quebrado e angustiante], a divertida e groovada “Son of Sam” [com o desejo do vocalista por conhecer o filho Dele (Satan?)], o tema-título [uma inebriante e desértica faixa instrumental] e a profunda e hostil “Call of the Wolves”.

Resumindo, em “Rose of Jericho” os Komatsu não inovam e não se reinventam, mas nem precisam, pois já tinham encontrado o seu caminho anteriormente – porém, seguem a sua estrada de maneira ainda mais avassaladora e alucinante! Se és fã de bandas como Clutch, Queens of the Stone Age ou Red Fang, ouve este novo trabalho sem moderação. Se não, dá uma hipótese a este óptimo álbum – é garantido que te vais divertir muito!

Facebook

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021