#Guitarrista

Subsolo

Kerberos: que se libertem os lacaios!

Em evolução e à procura das suas melhores habilidades, os jovens suíços Kerberos apresentaram em 2020 o seu death metal sinfónico com uma maquete/EP.

Publicado há

-

Origem: Suíça
Género: symphonic/death metal
Último lançamento: “The Awakening of the Hellhound” (EP, 2020)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp

Em evolução e à procura das suas melhores habilidades, os jovens suíços Kerberos apresentaram em 2020 o seu death metal sinfónico com uma maquete/EP.

«Estamos prontos para fazermos o que for necessário para elevarmos a qualidade em relação à nossa performance anterior.»

Objectivos: «“The Awakening of the Hellhound” é uma mistura de riffs death metal, refrãos cativantes e alguma loucura rítmica. Pode ser descrito como death metal sinfónico, já que apresentamos faixas orquestrais e utilizamos vozes rosnadas e limpas. Houve vários objectivos com o lançamento deste EP. Principalmente, queríamos gravar algumas das nossas músicas para darmos às pessoas uma ideia de como era o nosso som na altura. O segundo objectivo tinha a ver com o processo de praticar, gravar e lançar a própria música. Foi uma grande experiência de aprendizagem que nos preparou para a jornada de trabalho no nosso próximo álbum. Especialmente, a parte da gravação pode ser muito reveladora sobre as habilidades enquanto músicos. É muito diferente tocar-se uma faixa como banda e haver divertimento em comparação a fazer-se tracking de instrumentos e vozes para um disco e depois ouvir a gravação. Ao fazermos esta maquete aprendemos muito sobre nós e sobre a nossa música, e estamos prontos para fazermos o que for necessário para elevarmos a qualidade em relação à nossa performance anterior.»

Conceito: «Uma vez que a maquete é uma mistura de material antigo e novo, não existe um conceito musical ou lírico abrangente, embora a maioria das canções critique a hipocrisia na sociedade, muitas vezes a hipocrisia religiosa, que é reflectida nos títulos “In the Name of God” e “Holy Downfall”. No entanto, como a própria criatura mítica Kerberos, uma parte das nossas letras é ficção literária, que não é directamente aplicável à realidade. A faixa “Awakening of the Hellhound” é um exemplo disso. A nível musical, podemos dizer que tentamos fazer um cruzamento de elementos sinfónicos com death metal moderno. A maior diferença em relação a outras bandas que fazem isto é, provavelmente, que a nossa música também contém partes progressivas que podem ser ouvidas especialmente nas nossas músicas mais recentes.»

Evolução: «A nossa maquete é, na verdade, um bom ponto de referência para falarmos sobre evolução, porque apresenta duas músicas muito antigas e duas músicas que mostram a direcção que a banda está a tomar agora. A maioria das nossas músicas antigas costumava ser de baixo e médio ritmo, e eram bastante simplistas. Nas nossas composições actuais, tendemos a pensar muito mais fora da caixa e misturar um pouco as coisas. Enquanto as canções mais antigas eram muito lineares e muitas vezes escritas num único andamento e fórmula de compasso, agora tentamos ser mais abertos sobre para onde estamos a ir com uma canção. Provavelmente, Epica e Mayan foram as maiores influências gerais para a nossa música, mas nas canções do nosso álbum de estreia, no qual estamos a trabalhar actualmente, existem algumas passagens que se parecem mais com o que encontrarias numa música de Decapited ou Meshuggah. No entanto, já estabelecemos o nosso estilo musical e não temos de o ‘pedir emprestado’ a outros artistas para escrevermos músicas sólidas.»

Review: Fortemente influenciados por bandas como Therion e Epica, estes suíços estreiam-se com o EP “The Awakening of the Hellhound” e trazem-nos o seu metal sinfónico esquartejado por segmentos death metal, e até algum jazz-fusion e prog, em faixas como “One-Dimensional Sight”. Com um rumo já bem definido e com noções claras da diversidade que este tipo de metal pode e deve ter, há imenso espaço para os Kerberos crescerem e desenvolverem ainda mais uma juventude que já se mostra adulta na forma como pensam as estruturas e as orquestrações. Veremos o que o futuro lhes reserva.

Facebook

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021