#Guitarrista

Subsolo

Inherently Lost: a última meia-noite

É entre o sinfónico e o black metal que os Inherently Lost se apresentam ao mundo, esperando-se que o melhor ainda esteja para vir.

Publicado há

-

Origem: USA
Género: dark metal
Último lançamento: “Our Last Midnight” (2020)
Editora: Entwined Recordings
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista: Diogo Ferreira | Review: João Correia

É entre o sinfónico e o black metal que os Inherently Lost se apresentam ao mundo, esperando-se que o melhor ainda esteja para vir.

«Sentimos que o melhor ainda está para vir. Afinal, música é evolução.»

Percurso: «Quando começámos, estávamos à procura de fazer algo fora da nossa zona de conforto e não ser apenas mais uma banda de uma cena (hardcore, death metal, black metal, etc.). Não que haja algo de errado com as bandas de uma cena, estamos apenas à procura de originalidade. Demorou cerca de um ano até finalmente termos uma boa ideia da direcção que estávamos a seguir. Mais quase dois anos para finalmente chegarmos ao nosso EP debutante “Our Last Midnight”, principalmente devido a toda a gente estar noutras bandas. A nossa música soa a blackened melodic death metal com elementos de metal sinfónico e industrial. Mas toda a gente tem a sua própria opinião.»

Conceito: «É um aviso pré-apocalíptico a toda a Terra. Ascensão das máquinas e uma super elite a governar o mundo.»

Evolução: «Evoluímos enquanto compúnhamos “Our Last Midnight”. Nenhum de nós jamais participou num projecto como este. Sentimos que o melhor ainda está para vir. Afinal, música é evolução.»

Review: Não é fácil associar Inherently Lost a um género específico, mas rock/metal (sem mais complicações) parece ser uma boa aposta. Este quinteto norte-americano apoia-se nos legados dos Lacuna Coil, Evanescense e Epica para darem asas à sua criatividade através de um som musculado e fortemente caracterizado por sintetizadores omnipresentes. “Carnage Of Your Sins” apresenta uma banda que sabe o caminho que deseja seguir: metal sinfónico com vozes agressivas. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas as bases estão lançadas.

Facebook

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021