#Guitarrista

Reviews

Entombed A.D. “Bowels of Earth”

Com “Bowels Of Earth”, os Entombed A.D. honram mais a escola sueca do que os próprios Entombed.

Editora: Century Media Records
Data de lançamento: 30.08.2019
Género: death metal
Nota: 4/5

A história é um conjunto de informações sobre processos e factos ocorridos no passado a que recorremos constantemente para explicar e compreender o presente e a evolução decorrida entre essas duas fases temporais. Com isso em mente, e no caso específico do death metal sueco, entre 1990 e 2019, o género sofreu alterações profundas, mas, para este caso em particular, interessa fundamentalmente pesquisar o início do movimento. Nos primeiros três anos vieram os clássicos maiores e as suas marcas características: guitarras com um som extremamente grave e afiado, vozes pestilentas e uma velocidade e cadência mais rápida e mais agressiva, com as bandas menos interessadas numa produção imaculada em detrimento de um som cheio e natural.

Faz todo o sentido se pensarmos que a NWOSDM foi profundamente influenciada pela música punk e pelo hardcore de nomes nórdicos seminais como Terveët Kadet, Kaaos e Rattus. Muitas bandas contribuíram para a nova vaga de um som ainda em fase exploratória, mas nenhuma o fez com o coração e a genialidade dos Entombed, justamente apelidados na época de Reis do Death Metal. Em 2014, insatisfeito com o rumo dos Entombed, Lars Goran Petrov decide prosseguir pela via sinistrae dando origem aos Entombed A.D.. Felizmente que o que bem poderia ser apenas mais um truque de publicidade enganosa culminou num agrupamento inicialmente composto exclusivamente por ex-membros dos Entombed – gente versada na arte, o que, por si só, antevia grandeza.

Avançando rapidamente para 2019, e nas vésperas de “Bowels Of Earth”, podemos concluir que L-G Petrov realizou uma jogada de mestre quando decidiu perpetuar a época de diamante do death metal sueco com este novo álbum na proa de tão difícil tarefa. Falamos de um registo que grita, respira e sangra death metal escandinavo desde o riff inicial de “Torment Remains”, o melhor tema do disco e um autêntico flashback até 1991, principalmente ao terreno de “Like An Ever Flowing Stream”, tal é a similaridade com Dismember e com o que de melhor se fez nessa época dentro do death metal: o down tuning das guitarras, os guturais cavernosos, o descompromisso, o amor incondicional à brutalidade musical… Tudo ingredientes necessários para uma banda de death metal se destacar de outras vertentes do mesmo estilo espalhadas pelo globo. Isso e o pedal Boss Heavy Metal HM-2, certamente o equipamento comum mais utilizado em Estocolmo entre 1990 e 1995, o principal culpado pelo som do death metal sueco como o conhecemos.

Mas nem tudo é resquícios do passado. A adição do guitarrista brasileiro Guilherme Miranda permitiu que os Entombed A.D. lograssem apresentar os riffs clássicos do death metal sueco, inspirados e violentos, sempre caóticos e furiosos, o que só beneficia o pacote apresentado. A seguinte “Eliminate” é outra homenagem aos Dismember do período áureo, embora mais groovy e com o destaque a ir obrigatoriamente para as guitarras, tal é o som maior do que o mundo que emitem. Depois, os solos de Nico Elgstrom criam a ponte perfeita entre os riffs viciantes de Miranda, algo que se manterá inalterado ao longo do trabalho e que cria um ambiente moderno, mais técnico e profissional. Ainda assim, nem tudo o que ouvimos em “Bowels Of Earth” é extraído do livro de regras clássicas – por exemplo, “Bourbon Nightmare” carrega na distorção como nenhuma outra faixa do disco e, por vezes, sentimos um feeling patente de sludge, algo quase imperceptível, mas que está lá. O álbum mantém a sua coerência ao longo dos seus cerca de 35 minutos, com uma
produção genuína e ausente dos artifícios habituais dos estúdios da actualidade. Na verdade, a falta de triggers e de outros truques só lhe imprime mais potência e naturalidade, muito como acontecia nos anos 1990. Mesmo assim, escutamos perfeitamente o baixo fluido de Viktor Brandt e todos os pormenores de bateria de Olle Dahlstedt, não tivessem os Entombed A.D. passado quatro meses em estúdio a refinar “Bowels Of Earth”. Em resumo, “Bowels of Earth” é um disco de death metal que será reverenciado pelas gerações dos entas, mas também pelas novas gerações mais inclinadas para o purismo de um movimento que transfigurou um género musical de forma ímpar. Em menos palavras, com “Bowels Of Earth”, os Entombed A.D. honram mais a escola sueca do que os próprios Entombed.

Facebook

Apoia a nossa causa

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021