#Guitarrista

Artigos

Como comprar o melhor dos Slayer

A banda mais pesada de todos os tempos, e uma das quatro grandes do thrash, os Slayer estabeleceram o padrão de referência para as gerações subsequentes de bandas extremas. Aqui seleccionamos os álbuns essenciais para a tua colecção.

A banda mais pesada de todos os tempos, e uma das quatro grandes do thrash, os Slayer estabeleceram o padrão de referência para as gerações subsequentes de bandas extremas. Aqui seleccionamos os álbuns essenciais para a tua colecção.

Foto: Larry Marano

Black Sabbath é a banda original do heavy metal, Metallica a maior, mas Slayer é certamente a mais pesada. Nenhuma outra banda, surgida antes ou depois, igualou o poder temível, a precisão mortal e a intensidade esmagadora dos Slayer no auge.

Formados no subúrbio de Huntington Park, em Los Angeles, em 1981, pelos guitarristas Jeff Hanneman e Kerry King, baixista/vocalista Tom Araya e baterista Dave Lombardo, os Slayer começaram como uma banda regular do início dos anos 80, fortemente influenciada por Judas Priest. Mas Hanneman, um fã do hardcore punk dos EUA, levou os Slayer a tocar mais rápido. E inspirados pelos adoradores do diabo britânicos Venom – a arquetípica banda de black metal -, os Slayer decidiram criar a música mais maligna e brutal que o Homem conheceu.

O álbum de estreia dos Slayer, “Show No Mercy”, lançado em 1983, apenas cinco meses após “Kill ‘Em All” dos Metallica, colocou-os na vanguarda de um novo movimento que revolucionaria o metal: thrash. Os Slayer alinhavam-se ao lado de Metallica, Megadeth e Anthrax no chamado Big 4 do thrash metal. E em 1986, depois de assinar com a editora pioneira do hip-hop Def Jam, os Slayer eclipsaram os seus pares com o maior de todos os álbuns de thrash: “Reign In Blood”. Ainda amplamente considerado como o álbum mais pesado de todos os tempos, estabeleceu a referência para as gerações subsequentes de bandas extremas e lançou uma longa sombra sobre tudo o que os Slayer fizeram desde então.

Certamente, os Slayer tiveram os seus altos e baixos. Quando Lombardo, o melhor baterista da era do thrash, deixou a banda durante uma década inteira, os Slayer perderam-se – até incorporaram elementos de nu-metal no álbum de 1998, “Diabolus In Musica”. Mas a reintegração de Lombardo em 2002 colocou-os firmemente de volta aos trilhos – até que deixou a banda pela segunda vez em 2013.

A morte de Hanneman em 2013 enviou ondas sísmicas através do campo Slayer e adicionou um nível extra de incerteza no futuro da banda. Em 2018, anunciaram que acabariam após 12 álbuns, embarcando numa digressão mundial que encerraria sua carreira no final de 2019.

Aqui, lançamos os nossos olhos sobre o catálogo da banda mais pesada e escolhemos os álbuns essenciais para qualquer colecção.

-/-

10. God Hates Us All (2001)
Lançado a 11 de Setembro de 2001 – sim, 11 de Setembro -, o álbum continha mais realismo nas letras, reflectindo a incerteza dos tempos. Musicalmente, porém, era um pouco confuso.
O produtor Matt Hyde foi contratado e estava interessado em actualizar o som dos Slayer, algo que a banda não gostou. Portanto, o produto final não materializou o potencial sugerido pelas músicas. No entanto, há o suficiente – especialmente com “Disciple” e “Bloodline”, temas indicados aos Grammy – para garantir que a banda ainda podia entrar no novo milénio como heróis do metal.

9. Christ Illusion (2006)
No início dos anos 90, os Slayer entraram num longo período de escassez. Marginalizados pela ascensão do nu-metal, gravaram uma série de álbuns pouco inspirados: “Divine Intervention” (1994), “Diabolus In Musica” (1998), além das covers punk mal orientadas de “Undisputed Attitude” (1996).
“Christ Illusion” cessou a podridão. Kerry King declarou que foi «a melhor coisa que fizemos desde “Reign In Blood”». De facto, “South Of Heaven” foi melhor, mas “Christ Illusion” foi certamente o álbum mais pesado dos Slayer em 20 anos.
Com Dave Lombardo de regresso após 10 anos de ausência, os Slayer voltaram a fazer o que fazem melhor do que ninguém: thrash metal clássico.

8. Repentless (2015)
Do choque descontrolado da admiração pela faixa-título à fervorosa beligerância de “Pride In Prejudice”, “Repentless” deixou claro que a trágica morte de Jeff Hanneman não afectaria a armadura sónica de Slayer. À parte da “Piano Wire” do falecido guitarrista, este era o álbum de Kerry King: uma reafirmação sombria dos valores musicais, dando um impulso extra pela necessidade de homenagear um camarada caído.
Músicas como “Chasing Death” e “Implode” são tão pesadas e hostis quanto qualquer coisa no catálogo dos Slayer, mas foi a infame e lenta “When The Stillness Comes” que causou o maior impacto emocional. Still Slayer. Still killer.

7. Divine Intervention (1994)
Paul Bostaph entrou para substituir Dave Lombardo. Um bom baterista, mas não exactamente da mesma classe ou com o mesmo impacto que o seu antecessor. Outros problemas surgiram porque a banda passou por vários estúdios e dois produtores – Toby Wright e Rick Rubin -, o que deu ao álbum uma sensação de desconexão.
Além disso, as guitarras pareciam estar muito baixas e não, como é o caso dos Slayer, bem na cara.

6. Show No Mercy (1983)
«Puro lixo», escreveu-se numa crítica ao primeiro álbum dos Slayer. Até Dave Lombardo agora o descreve como «primitivo e ingénuo». Mas para várias bandas de metal extremo que se seguiram, “Show No Mercy” é um dos álbuns mais poderosos e influentes dos anos 80.
As influências dos Slayer eram claramente evidentes: “Evil Has No Boundaries” tinha a fúria e as vibrações assustadoras e satânicas do início de Venom, e nos múltiplos riffs de “The Antichrist” havia ecos de Iron Maiden e Mercyful Fate.
Alguns interpretaram mal a abordagem implacável e de alta velocidade da banda como prova de que eles tinham pouco valor musical a oferecer. Errado! Para ser tão convincente quanto isso, o quarteto destemido tinha que ser mais do que competente. Uma verdadeira invocação de forças das trevas que ainda pode irritar os incautos – mas a partir daqui ficaria tudo muito mais feio.

5. Hell Awaits (1985)
Com este, o precursor de “Reign In Blood”, os Slayer derrotaram uma imprensa rock anteriormente hostil. E em nenhum lugar essa mudança de percepção foi mais evidente do que numa opinião do eminente crítico britânico Geoff Barton. Barton proclamou Slayer como «a banda subversiva mais ameaçadora do planeta» e descreveu “Hell Awaits” como, de várias formas, «horripilante», «perturbador», «perturbado» e, claro, «malévolo».
Da faixa-título satânica ao apocalíptico “Hardening Of The Arteries”, “Hell Awaits” foi um ataque impiedoso de thrash metal com uma aura palpável e malévola.
Este registo também deixou a sua marca como uma das inspirações para o grind.

4. World Painted Blood (2009)
Surgido 23 anos depois de “Reign In Blood”, este álbum teve um som e um título que ecoaram ao longo dos anos. “World Painted Blood” era Slayer vintage. Como Kerry King disse na época: «We stick to our guns, like AC/DC.»
No geral, não é tão rápido como o anterior “Chris Illusion”. Mas, em contraste com a resposta mista recebida com “Christ Illusion”, o 11º álbum de estúdio dos Slayer foi amplamente aclamado, até porque revisitou ruidosamente a vibe crua e cruel dos primeiros trabalhos.
Composições de Kerry King, como “Hate Worldwide”, e de Jeff Hanneman, como “Psychopathy Red”, conseguiram o equilíbrio certo entre a inovação de ponta e a sujidade do underground, enquanto “Unit 731”, baptizada com o nome do departamento secreto de pesquisa de guerra biológica do Japão na Segunda Guerra Mundial, é outro relato horrível de crimes de guerra obscenos. Essa música provou que os Slayer ainda iam onde outros temiam pisar.
O último hurray de Hanneman foi um triunfo macabro.

3. South Of Heaven (1988)
Após o poderoso e épico “Reign In Blood” nunca seria fácil, mas os Slayer jogaram de maneira muito inteligente com “South Of Heaven”. Como diz Tom Araya: «Fizemos o possível para garantir que não realizávamos outro Reign In Blood.»
Isso ficou imediatamente aparente na música de abertura do álbum, a faixa-título, um épico de construção lenta que leva ao frenético thrash de “Silent Scream”.
Ao misturar uma moagem mais lenta, no estilo de Black Sabbath, com um thrash total, os Slayer conseguiram um efeito poderoso e dramático. E, surpreendentemente, são as músicas mais lentas aquelas que são as mais elevadas, como “South Of Heaven”, “Mandatory Suicide” e o misterioso clímax em “Spill The Blood”.

2. Season In The Abyss (1990)
É o último álbum de estúdio do baterista Dave Lombardo até 2006, e, apesar de não oferecer uma mudança discernível na direcção em relação ao que havia acontecido antes, a força da visão da banda ficou clara em “Dead Skin Mask” e “War Ensemble”.
Muitos acreditavam que “Seasons In The Abyss” era o som de Slayer preso à rotina. No entanto, isto era realmente uma banda com rotina, sabendo exactamente o que deveria fazer e como o oferecer.
Guerra é um tema recorrente nas músicas dos Slayer, e “Hallowed Point”, “Expendable Youth” e a abertura relâmpago de “War Ensemble” ressoaram poderosamente no momento em que as forças americanas estavam envolvidas na primeira Guerra do Golfo. Igualmente mórbidos foram “Dead Skin Mask” e a faixa-título, embora esta última tivesse alguns fãs obstinados a gritar ‘vendidos’. Como se alguém não o tivesse dito na cara de Kerry Kings.
Na altura em que alguns diziam que o thrash estava morto, os Slayer ainda estavam cheio de ideias.

1. Reign In Blood (1986)
A obra-prima dos Slayer, “Reign In Blood”, é um dos álbuns clássicos do heavy metal, no topo com “Paranoid”, “The Number Of The Beast” e “Master Of Puppets”.
Tão controversa era a faixa de abertura, “Angel Of Death”, que a gigante Columbia se recusou a lançar o álbum. Mas quando foi lançado pela Geffen (EUA) e London Records (Reino Unido), foi imediatamente aclamado como o melhor disco de thrash metal.
Os Slayer esgalharam as suas 10 faixas em apenas 29 minutos, combinando velocidade vertiginosa com controlo implacável. A música era de classe mundial, as canções eram impressionantes e a produção equilibrada com a força bruta da performance ao vivo.
Incansavelmente violento, “Reign In Blood” é verdadeiramente um assalto aos sentidos. O álbum mais pesado de todos os tempos? Sem contestação. Desde o momento em que “Angel Of Death” entra até aos últimos acordes de “Raining Blood”, isto é inigualável.

Consultar o artigo original em inglês.

Facebook

Apoia a nossa causa

Destaques

Notícias

Artigos

Mundo das Guitarras © 2021